The Pitfalls of Universal Jurisdiction

in Foreign Affairs

by Henry A. Kissinger

In less than a decade, an unprecedented movement has emerged to submit international politics to judicial procedures. It has spread with extraordinary speed and has not been subjected to systematic debate, partly because of the intimidating passion of its advocates. To be sure, human rights violations, war crimes, genocide, and torture have

Former Liberian President Charles Taylor on trial

so disgraced the modern age and in such a variety of places that the effort to interpose legal norms to prevent or punish such outrages does credit to its advocates. The danger lies in pushing the effort to extremes that risk substituting the tyranny of judges for that of governments; historically, the dictatorship of the virtuous has often led to inquisitions and even witch-hunts.

The doctrine of universal jurisdiction asserts that some crimes are so heinous that their perpetrators should not escape justice by invoking doctrines of sovereign immunity or the sacrosanct nature of national frontiers. Two specific approaches to achieve this goal have emerged recently. The first seeks to apply the procedures of domestic criminal justice to violations of universal standards, some of which are embodied in United Nations conventions, by authorizing national prosecutors to bring offenders into their jurisdictions through extradition from third countries. The second approach is the International Criminal Court (ICC), the founding treaty for which was created by a conference in Rome in July 1998 and signed by 95 states, including most European countries. It has already been ratified by 30 nations and will go into effect when the total reaches 60. On December 31, 2000, President Bill Clinton signed the ICC treaty with only hours to spare before the cutoff date. But he indicated that he would neither submit it for Senate approval nor recommend that his successor do so while the treaty remains in its present form.

The very concept of universal jurisdiction is of recent vintage. The sixth edition of Black’s Law Dictionary, published in 1990, does not contain even an entry for the term. The closest analogous concept listed is hostes humani generis (“enemies of the human race”). Until recently, the latter term has been applied to pirates, hijackers, and similar outlaws whose crimes were typically committed outside the territory of any state. The notion that heads of state and senior public officials should have the same standing as outlaws before the bar of justice is quite new.

In the aftermath of the Holocaust and the many atrocities committed since, major efforts have been made to find a judicial standard to deal with such catastrophes: the Nuremberg trials of 1945 — 46, the Universal Declaration of Human Rights of 1948, the genocide convention of 1948, and the antitorture convention of 1988. The Final Act of the Conference on Security and Cooperation in Europe, signed in Helsinki in 1975 by President Gerald Ford on behalf of the United States, obligated the 35 signatory nations to observe certain stated human rights, subjecting violators to the pressures by which foreign policy commitments are generally sustained. In the hands of courageous groups in Eastern Europe, the Final Act became one of several weapons by which communist rule was delegitimized and eventually undermined. In the 1990s, international tribunals to punish crimes committed in the former Yugoslavia and Rwanda, established ad hoc by the U.N. Security Council, have sought to provide a system of accountability for specific regions ravaged by arbitrary violence.

But none of these steps was conceived at the time as instituting a “universal jurisdiction.” It is unlikely that any of the signatories of either the U.N. conventions or the Helsinki Final Act thought it possible that national judges would use them as a basis for extradition requests regarding alleged crimes committed outside their jurisdictions. The drafters almost certainly believed that they were stating general principles, not laws that would be enforced by national courts. For example, Eleanor Roosevelt, one of the drafters of the Universal Declaration of Human Rights, referred to it as a “common standard.” As one of the negotiators of the Final Act of the Helsinki conference, I can affirm that the administration I represented considered it primarily a diplomatic weapon to use to thwart the communists’ attempts to pressure the Soviet and captive peoples. Even with respect to binding undertakings such as the genocide convention, it was never thought that they would subject past and future leaders of one nation to prosecution by the national magistrates of another state where the violations had not occurred. Nor, until recently, was it argued that the various U.N. declarations subjected past and future leaders to the possibility of prosecution by national magistrates of third countries without either due process safeguards or institutional restraints.

Yet this is in essence the precedent that was set by the 1998 British detention of former Chilean President Augusto Pinochet as the result of an extradition request by a Spanish judge seeking to try Pinochet for crimes committed against Spaniards on Chilean soil. For advocates of universal jurisdiction, that detention — lasting more than 16 months — was a landmark establishing a just principle. But any universal system should contain procedures not only to punish the wicked but also to constrain the righteous. It must not allow legal principles to be used as weapons to settle political scores. Questions such as these must therefore be answered: What legal norms are being applied? What are the rules of evidence? What safeguards exist for the defendant? And how will prosecutions affect other fundamental foreign policy objectives and interests?

A DANGEROUS PRECEDENT

IT IS decidedly unfashionable to express any degree of skepticism about the way the Pinochet case was handled. For almost all the parties of the European left, Augusto Pinochet is the incarnation of a right-wing assault on democracy because he led a coup d’etat against an elected leader. At the time, others, including the leaders of Chile’s democratic parties, viewed Salvador Allende as a radical Marxist ideologue bent on imposing a Castro-style dictatorship with the aid of Cuban-trained militias and Cuban weapons. This was why the leaders of Chile’s democratic parties publicly welcomed — yes, welcomed — Allende’s overthrow. (They changed their attitude only after the junta brutally maintained its autocratic rule far longer than was warranted by the invocation of an emergency.)

Disapproval of the Allende regime does not exonerate those who perpetrated systematic human rights abuses after it was overthrown. But neither should the applicability of universal jurisdiction as a policy be determined by one’s view of the political history of Chile. The appropriate solution was arrived at in August 2000 when the Chilean Supreme Court withdrew Pinochet’s senatorial immunity, making it possible to deal with the charges against him in the courts of the country most competent to judge this history and to relate its decisions to the stability and vitality of its democratic institutions.

On November 25, 1998, the judiciary committee of the British House of Lords (the United Kingdom’s supreme court) concluded that “international law has made it plain that certain types of conduct . . . are not acceptable conduct on the part of anyone.” But that principle did not oblige the lords to endow a Spanish magistrate — and presumably other magistrates elsewhere in the world — with the authority to enforce it in a country where the accused had committed no crime, and then to cause the restraint of the accused for 16 months in yet another country in which he was equally a stranger. It could have held that Chile, or an international tribunal specifically established for crimes committed in Chile on the model of the courts set up for heinous crimes in the former Yugoslavia and Rwanda, was the appropriate forum.

The unprecedented and sweeping interpretation of international law in Ex parte Pinochet would arm any magistrate anywhere in the world with the power to demand extradition, substituting the magistrate’s own judgment for the reconciliation procedures of even incontestably democratic societies where alleged violations of human rights may have occurred. It would also subject the accused to the criminal procedures of the magistrate’s country, with a legal system that many be unfamiliar to the defendant and that would force the defendant to bring evidence and witnesses from long distances. Such a system goes far beyond the explicit and limited mandates established by the U.N. Security Council for the tribunals covering war crimes in the former Yugoslavia and Rwanda as well as the one being negotiated for Cambodia.

Perhaps the most important issue is the relationship of universal jurisdiction to national reconciliation procedures set up by new democratic governments to deal with their countries’ questionable pasts. One would have thought that a Spanish magistrate would have been sensitive to the incongruity of a request by Spain, itself haunted by transgressions committed during the Spanish Civil War and the regime of General Francisco Franco, to try in Spanish courts alleged crimes against humanity committed elsewhere.

The decision of post-Franco Spain to avoid wholesale criminal trials for the human rights violations of the recent past was designed explicitly to foster a process of national reconciliation that undoubtedly contributed much to the present vigor of Spanish democracy. Why should Chile’s attempt at national reconciliation not have been given the same opportunity? Should any outside group dissatisfied with the reconciliation procedures of, say, South Africa be free to challenge them in their own national courts or those of third countries?

It is an important principle that those who commit war crimes or systematically violate human rights should be held accountable. But the consolidation of law, domestic peace, and representative government in a nation struggling to come to terms with a brutal past has a claim as well. The instinct to punish must be related, as in every constitutional democratic political structure, to a system of checks and balances that includes other elements critical to the survival and expansion of democracy.

Another grave issue is the use in such cases of extradition procedures designed for ordinary criminals. If the Pinochet case becomes a precedent, magistrates anywhere will be in a position to put forward an extradition request without warning to the accused and regardless of the policies the accused’s country might already have in place for dealing with the charges. The country from which extradition is requested then faces a seemingly technical legal decision that, in fact, amounts to the exercise of political discretion — whether to entertain the claim or not.

Once extradition procedures are in train, they develop a momentum of their own. The accused is not allowed to challenge the substantive merit of the case and instead is confined to procedural issues: that there was, say, some technical flaw in the extradition request, that the judicial system of the requesting country is incapable of providing a fair hearing, or that the crime for which the extradition is sought is not treated as a crime in the country from which extradition has been requested — thereby conceding much of the merit of the charge. Meanwhile, while these claims are being considered by the judicial system of the country from which extradition is sought, the accused remains in some form of detention, possibly for years. Such procedures provide an opportunity for political harassment long before the accused is in a position to present any defense. It would be ironic if a doctrine designed to transcend the political process turns into a means to pursue political enemies rather than universal justice.

The Pinochet precedent, if literally applied, would permit the two sides in the Arab-Israeli conflict, or those in any other passionate international controversy, to project their battles into the various national courts by pursuing adversaries with extradition requests. When discretion on what crimes are subject to universal jurisdiction and whom to prosecute is left to national prosecutors, the scope for arbitrariness is wide indeed. So far, universal jurisdiction has involved the prosecution of one fashionably reviled man of the right while scores of East European communist leaders — not to speak of Caribbean, Middle Eastern, or African leaders who inflicted their own full measures of torture and suffering — have not had to face similar prosecutions.

Some will argue that a double standard does not excuse violations of international law and that it is better to bring one malefactor to justice than to grant immunity to all. This is not an argument permitted in the domestic jurisdictions of many democracies — in Canada, for example, a charge can be thrown out of court merely by showing that a prosecution has been selective enough to amount to an abuse of process. In any case, a universal standard of justice should not be based on the proposition that a just end warrants unjust means, or that political fashion trumps fair judicial procedures.

AN INDISCRIMINATE COURT

THE IDEOLOGICAL supporters of universal jurisdiction also provide much of the intellectual compass for the emerging International Criminal Court. Their goal is to criminalize certain types of military and political actions and thereby bring about a more humane conduct of international relations. To the extent that the ICC replaces the claim of national judges to universal jurisdiction, it greatly improves the state of international law. And, in time, it may be possible to negotiate modifications of the present statute to make the ICC more compatible with U.S. constitutional practice. But in its present form of assigning the ultimate dilemmas of international politics to unelected jurists — and to an international judiciary at that — it represents such a fundamental change in U.S. constitutional practice that a full national debate and the full participation of Congress are imperative. Such a momentous revolution should not come about by tacit acquiescence in the decision of the House of Lords or by dealing with the ICC issue through a strategy of improving specific clauses rather than as a fundamental issue of principle.

The doctrine of universal jurisdiction is based on the proposition that the individuals or cases subject to it have been clearly identified. In some instances, especially those based on Nuremberg precedents, the definition of who can be prosecuted in an international court and in what circumstances is self-evident. But many issues are much more vague and depend on an understanding of the historical and political context. It is this fuzziness that risks arbitrariness on the part of prosecutors and judges years after the event and that became apparent with respect to existing tribunals.

For example, can any leader of the United States or of another country be hauled before international tribunals established for other purposes? This is precisely what Amnesty International implied when, in the summer of 1999, it supported a “complaint” by a group of European and Canadian law professors to Louise Arbour, then the prosecutor of the International Criminal Tribunal for the Former Yugoslavia (ICTY). The complaint alleged that crimes against humanity had been committed during the NATO air campaign in Kosovo. Arbour ordered an internal staff review, thereby implying that she did have jurisdiction if such violations could, in fact, be demonstrated. Her successor, Carla Del Ponte, in the end declined to indict any NATO official because of a general inability “to pinpoint individual responsibilities,” thereby implying anew that the court had jurisdiction over NATO and American leaders in the Balkans and would have issued an indictment had it been able to identify the particular leaders allegedly involved.

Most Americans would be amazed to learn that the ICTY, created at U.S. behest in 1993 to deal with Balkan war criminals, had asserted a right to investigate U.S. political and military leaders for allegedly criminal conduct — and for the indefinite future, since no statute of limitations applies. Though the ICTY prosecutor chose not to pursue the charge — on the ambiguous ground of an inability to collect evidence — some national prosecutor may wish later to take up the matter as a valid subject for universal jurisdiction.

The pressures to achieve the widest scope for the doctrine of universal jurisdiction were demonstrated as well by a suit before the European Court of Human Rights in June 2000 by families of Argentine sailors who died in the sinking of the Argentine cruiser General Belgano during the Falklands War. The concept of universal jurisdiction has moved from judging alleged political crimes against humanity to second-guessing, 18 years after the event, military operations in which neither civilians nor civilian targets were involved.

Distrusting national governments, many of the advocates of universal jurisdiction seek to place politicians under the supervision of magistrates and the judicial system. But prosecutorial discretion without accountability is precisely one of the flaws of the International Criminal Court. Definitions of the relevant crimes are vague and highly susceptible to politicized application. Defendants will not enjoy due process as understood in the United States. Any signatory state has the right to trigger an investigation. As the U.S. experience with the special prosecutors investigating the executive branch shows, such a procedure is likely to develop its own momentum without time limits and can turn into an instrument of political warfare. And the extraordinary attempt of the ICC to assert jurisdiction over Americans even in the absence of U.S. accession to the treaty has already triggered legislation in Congress to resist it.

The independent prosecutor of the ICC has the power to issue indictments, subject to review only by a panel of three judges. According to the Rome statute, the Security Council has the right to quash any indictment. But since revoking an indictment is subject to the veto of any permanent Security Council member, and since the prosecutor is unlikely to issue an indictment without the backing of at least one permanent member of the Security Council, he or she has virtually unlimited discretion in practice. Another provision permits the country whose citizen is accused to take over the investigation and trial. But the ICC retains the ultimate authority on whether that function has been adequately exercised and, if it finds it has not, the ICC can reassert jurisdiction. While these procedures are taking place, which may take years, the accused will be under some restraint and certainly under grave public shadow.

The advocates of universal jurisdiction argue that the state is the basic cause of war and cannot be trusted to deliver justice. If law replaced politics, peace and justice would prevail. But even a cursory examination of history shows that there is no evidence to support such a theory. The role of the statesman is to choose the best option when seeking to advance peace and justice, realizing that there is frequently a tension between the two and that any reconciliation is likely to be partial. The choice, however, is not simply between universal and national jurisdictions.

MODEST PROPOSALS

THE PRECEDENTS SET by international tribunals established to deal with situations where the enormity of the crime is evident and the local judicial system is clearly incapable of administering justice, as in the former Yugoslavia and Rwanda, have shown that it is possible to punish without removing from the process all political judgment and experience. In time, it may be possible to renegotiate the ICC statute to avoid its shortcomings and dangers. Until then, the United States should go no further toward a more formal system than one containing the following three provisions. First, the U.N. Security Council would create a Human Rights Commission or a special subcommittee to report whenever systematic human rights violations seem to warrant judicial action. Second, when the government under which the alleged crime occurred is not authentically representative, or where the domestic judicial system is incapable of sitting in judgment on the crime, the Security Council would set up an ad hoc international tribunal on the model of those of the former Yugoslavia or Rwanda. And third, the procedures for these international tribunals as well as the scope of the prosecution should be precisely defined by the Security Council, and the accused should be entitled to the due process safeguards accorded in common jurisdictions.

In this manner, internationally agreed procedures to deal with war crimes, genocide, or other crimes against humanity could become institutionalized. Furthermore, the one-sidedness of the current pursuit of universal jurisdiction would be avoided. This pursuit could threaten the very purpose for which the concept has been developed. In the end, an excessive reliance on universal jurisdiction may undermine the political will to sustain the humane norms of international behavior so necessary to temper the violent times in which we live.

Advertisements

3 Comments

  1. M. Silva said,

    O Tribunal Penal Internacional: uma análise realista

    in jus2.uol.com.br
    por Flavio Perazzo Creazzola Campos

    1. Considerações Iniciais
    O Tribunal Penal Internacional foi criado a partir da Conferência de Roma (15/jun a 17/jul/1998) que deu origem ao Estatuto de Roma, contando com a presença de 160 países e 17 organizações internacionais. O Estatuto fora aprovado por 120 países, com sete votos contrários e entrou em vigor em 01/jul/2002, após 60 Estados manifestarem consentimento, sendo estabelecida a sua sede em Haia, Holanda.

    É nesse contexto que se estabelece o direcionamento desse estudo, buscando demonstrar a importância do direito internacional e mais especificamente as sentenças internacionais de acordo com uma análise de poder entre os Estados, através de uma sistematização de dados colhidos em obras literárias e hipertextuais sobre o tema. Partindo do pressuposto de que vivemos em um Sistema Internacional anárquico, onde não existe hierarquia entre os Estados-Nação, tendo por base a obra clássica de Hedley Bull (2002), intitulada “Sociedade Anárquica”, qual seria a legitimidade de um órgão supranacional ao julgar um cidadão de qualquer nação soberana?

    Antes de nos atermos precisamente ao Tribunal Penal Internacional, devemos expor alguns conceitos para que possamos ter uma base sólida em que possamos nos apoiar, tais como o conceito de Sistema Internacional, Anarquia Internacional, dentre outros, com a finalidade de desenvolver uma análise realista do TPI.

    2. Sistema Internacional
    Para Bull (2002), o Sistema Internacional é anárquico, ou seja, não existe hierarquia internacional. As decisões de um Estado dependem unicamente da conveniência deste. Porém o autor considera um sistema internacional, que apenas se constitui quando dois ou mais Estados têm suficiente contato entre si, com suficiente impacto recíproco nas suas decisões, de tal forma que se conduzam, pelo menos até certo ponto, como partes de um todo. Desta forma, podemos quantificar a influência de um Estado sobre outro, deixando de lado qualquer sentimento romântico sobre as relações entre os citados atores internacionais. No caso da corrente realista, à qual Bull faz parte, os Estados visam à sobrevivência. A guerra, que é a violência organizada promovida pelas unidades políticas entre si, decorre desse sentimento, pelo qual as nações procuram sobressair-se das outras, manter o status quo, que é não modificar a estrutura de poder entre os Estados.

    Desta forma, por sistema internacional entende-se um ambiente constituído pela interação entre unidades soberanas, os Estados, que se reconhecem como tal. A definição de sociedade internacional leva em consideração os aspectos cooperativos da interação entre Estados e, assim, constitui-se em um conjunto de nações que, embora soberanas, partilham certos valores e concordaram em submeter suas ações a um conjunto de regras e normas de interação, formando assim uma comunidade. Tucídides e, sobretudo, Maquiavel, já pensavam sobre o mundo ser constituído por um sistema internacional de Estados orientado segundo uma lógica de cálculo estratégico pela qual imperam as relações de poder e o mecanismo de interação internacional é o balanço de poder.

    A partir deste ponto, podemos levar em consideração diversos fatores, dentre eles, os de como os Estados soberanos firmados neste sistema internacional podem se comportar. Tendo isso como base, é necessário um estudo de poder entre os Estados. As normas internacionais serão respeitadas até que não contradigam os interesses de algum Estado. Pode-se exemplificar a invasão do Iraque pelos Estados Unidos da América no ano de 2003, quando este país não obteve a aprovação do Conselho de Segurança da ONU. Porém, como era de conveniência norte-america, seja por prevenção ao terrorismo, retaliação ou qualquer outra suposição que se possa levar em consideração, os Estados Unidos simplesmente não acataram a decisão. As relações de poder, dentro do sistema internacional, seriam tão ou mais importantes que as normas internacionais, uma vez que os Chefes de Estado como Silvio Berlusconi (Itália), José Maria Aznar (Espanha), Durão Barroso (Portugal) e Tony Blair (Inglaterra) apoiaram os Estados Unidos da América na ofensiva contra o Iraque.

    Para Richard Little, a Escola Inglesa (da que Hedley Bull faz parte) baseia-se em um alicerce triplo, os quais seriam Sistema Internacional, Sociedade Internacional e Sociedade Mundial, tendo por base Hobbes, Grotius e Kant :

    1.Sistema Internacional/ Hobbesianismo/ Realismo: trata sobre temas de poder político entre Estados, considerando a natureza anárquica internacional como sendo o centro da Teoria de Relações Internacionais. Tende a trabalhar com uma vertente mais estruturalista, em um nível sistêmico. Utilizava método positivista (típico norte-americano);

    2.Sociedade Internacional/ Grotianismo/ Racionalismo: trata principalmente sobre a institucionalização de interesses e identidades compartilhados entre os Estados. Apresenta um caráter mais normativo, analisando questões relacionadas a normas e regimes. A hermenêutica era a metodologia utilizada;

    3.Sociedade Mundial/ Kantianismo/ Revolucionismo: trabalha com indivíduos, organizações não-estatais e com a população global como foco. Mantém uma relação com os estudos de transnacionalismo, apesar de também apresentar um caráter mais normativo, que tinha como metodologia a Teoria Crítica.

    Além das ideias de Sistema Internacional, Sociedade Internacional e Sociedade Mundial, Bull (2002) lança outro conceito como sendo fundamental à unidade da Escola Inglesa: o de Instituições. Segundo Bull (2002), pode-se considerar Instituições como o conjunto de hábitos e práticas orientados para atingir objetivos comuns, e que manifestam o elemento de colaboração entre os Estados na sua função política. Ele ainda as identifica como sendo o equilíbrio de poder, o direito internacional, a diplomacia, as grandes potências e a guerra. Segundo Bull, há cinco tipos de instituições:

    1.Equilíbrio de poder: situação na qual nenhuma potência possui posição de preponderância absoluta e em condições de determinar a lei para as outras. É ele que cria condições para a atuação das demais instituições.

    2.Direito Internacional: conjunto de regras que ligam os Estados e os outros agentes da política mundial em relações recíprocas, aos quais se atribui status legal. Quando admitido, mostra que os Estados reconhecem que estão em sociedade e que têm deveres, mesmo que suas ações muitas vezes fujam à lei estabelecida.

    3.Diplomacia: gestão das relações entre Estados e outras entidades da política mundial, por meios pacíficos e com o uso de agentes oficias. Tem a função de realizar acordos, manter comunicação e trocar informações, minimizar efeitos de atritos. Simboliza a existência da sociedade de Estados.

    4.Guerra: violência organizada promovida pelas unidades políticas entre si.

    5.Grandes Potências: pressupõe a noção de sociedade internacional. Preservam o equilíbrio geral, evitam e controlam crises, limitam a guerra e possuem responsabilidade em relação aos demais.

    Tais conceitos são aplicados na Teoria Realista das Relações Internacionais, levando-se em consideração um “jogo de poder” entre os Estados soberanos, que iremos abordar oportunamente.

    2.1 Sociedade Anárquica

    Sustenta-se uma ideia de anarquia internacional, ou seja, a falta de um governo ou de regras. A “anarquia internacional” (Goldsworthy Lowes Dickson apud Hedley Bull, Sociedade Anárquica, 2002) é um fator que, mesmo nos debates atuais, é de grande peso, uma vez que por conta disso, os Estados nunca formariam uma sociedade, que poderia acontecer somente se houvesse uma autoridade comum entre os mesmos. Bull combate a ideia de Hobbes, fazendo uma analogia, de que o sistema internacional não poderia nem deveria existir posto que inexista um contrato social internacional para pôr um fim na citada anarquia, havendo a necessidade de um governo mundial ou universal. Tal ideia é um pouco difícil de ser posta em prática, já que o mundo atual é multicultural. Mesmo com a tentativa de ocidentalização dos valores mundiais há sempre a corrente antropológica segundo a qual toda cultura deve ser respeitada, o que pode ser verificado na Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ora, tal declaração foi trazida pela ONU, que é uma organização ocidental. O termo “universal” já mostra o desrespeito a outras culturas, porém não iremos divagar no assunto.

    Segundo Hobbes, quando não há poder comum ou central, os homens tendem à guerra. Desta forma, não haveria nenhum tipo de desenvolvimento (agricultura, tecnologias, indústria, comercia, etc.). A Teoria Realista entende que o “Estado de Guerra” é permanente, não como combate real, mas como na disposição para combater, durante todo o tempo, não havendo garantia do contrário.” [01] É a famosa frase “Si vis pacem, para bellum”, ou seja, “se queres paz, prepara-te para a guerra”.

    Hedley Bull (2000) não acredita que, por serem os indivíduos incapazes de formar uma sociedade sem governo, não se inviabiliza os Estados de formarem uma sociedade internacional, ou seja, para Bull, os Estados podem formar uma sociedade internacional. O homem mais forte tem poder de aniquilar o mais fraco, mas – ainda fazendo uma analogia – um Estado mais forte subjugar um mais fraco não é uma verdade absoluta. Há discrepâncias na ordem mundial, que poderemos exemplificar com as armas nucleares. Um Estado de pequeno poder pode adquirir armamentos nucleares e mergulhar o mundo em medo de um ataque nuclear, e por isso, influenciar nas questões político-econômicas globais. Mais precisamente, podemos apontar a República Democrática Popular da Coreia (ou Coreia do Norte) que em treze de março de dois mil e nove (12/03/2009) lançou em órbita um “satélite” que alertou todo o globo para um possível ataque nuclear.

    A anarquia internacional existe e é aceita e discutida pelas teorias de relações internacionais. Não se pode negar que a sociedade internacional atual enxerga certo grau de ordem internacional, quer que seja a ordem de uma sociedade de nações, de uma sociedade internacional, mesmo sendo essas precárias e imperfeitas, uma vez que é um padrão de atividade que sustenta objetivos elementares ou primordiais das mesmas. Caso contrário, não estaríamos vivendo um sistema de cooperação internacional tão visível como o atual. O próprio Tribunal Penal Internacional é fruto dessa cooperação. Porém, como abordaremos mais à frente, existe uma diferença entre a assinatura de um tratado e a eficiência deste no sistema internacional, tendo em vista que os Estados são egoístas e apenas cooperam de acordo com os próprios interesses.

    2.2.Soberania Nacional e as Decisões Supranacionais

    Como foi pacificado até este ponto, mostraremos as estruturas de poder entre nações, claro que sem esquecer o ordenamento jurídico nacional. Toma-se como base o artigo de David A. Baldwin (1993), autor neoliberalista que propõe a reformulação do pensamento realista tradicional e buscava ir mais além do Estado-nação por criar novas instituições internacionais ou regimes, pela reinterpretação do princípio da soberania ou desafiando a validade do modelo “Estado como ator internacional”, adotado pelo realismo. Sobre a cooperação internacional, Baldwin (1993) afirma que é possível haver, porém difere dos realistas. Estes a enxergam como sendo mais difícil de conseguir, mais difícil de manter e mais dependente do poder do Estado do que veem os neoliberais. No tocante a Instituições, tanto Baldwin quanto os realistas reconhecem o surgimento das instituições que desde 1945 têm sido criadas, porém diferem a respeito da significância que esses arranjos têm. Os realistas acreditam que os neoliberais exageram o papel das Instituições de estarem preparadas para mitigar os efeitos constrangedores da anarquia na cooperação internacional. As capacidades e a cooperação de cada Estado vão quantificar o poder desses na ordem internacional.

    Tendo por base o previamente exposto, vemos uma grande ebulição de ideias no mundo hodierno. Várias vertentes pensam como as nações soberanas funcionam dentro da anarquia internacional, se elas cooperam ou se são egoístas e até mesmo a inerência de cada elemento na atuação de um Estado no cenário mundial.

    Vejamos agora uma breve explanação de como uma norma internacional pode agir dentro de um Estado, onde as relações de poder são fundamentais para o desenvolvimento deste cenário.

    Começaremos então por um exemplo já citado anteriormente, que é a invasão militar dos Estados Unidos da América contra o Iraque, que é um país soberano. O Conselho de Segurança da ONU não aprovou a invasão, o que não impediu os Estados Unidos de assim o fazer. Vemos, desta forma, o retorno à questão da falta de um governo central (mundial) que tenha legitimidade de punir os Estados que não obedecem as regras e decisões internacionais.

    Imaginemos então que se a República de Angola decidisse invadir a República do Congo por diversas razões. Imaginemos também que o bem-estar da República do Congo estivesse dentro dos interesses dos Estados Unidos, o Conselho de Segurança da ONU não aprovaria a invasão. Como seria esse cenário internacional? Sanções econômicas e políticas seriam tomadas contra a República de Angola, fazendo com que desistisse da ofensiva.

    O ponto principal que queremos aduzir é que a eficiência de uma decisão por um órgão internacional vai depender, completamente, do poder que este exerce sobre o sistema internacional. Podemos, então, mostrar um caso do próprio Tribunal Penal Internacional, que ordenou a prisão do presidente do Sudão, Omar al-Bashir, decisão que até o presente momento não foi cumprida. Muammar Kadafi, líder líbio, afirmou a Ban Ki-Moon, Secretário Geral da ONU, que a ordem de detenção do TPI é um grave precedente contra a independência e soberania dos países pequenos e que as ações deste tribunal são seletivas, deixando clara a falta de eficiência das decisões.

    3. O Brasil no Âmbito Internacional
    É de extrema importância entender qual é a imagem que o Brasil demonstra no âmbito internacional. Para tal, citaremos as palavras de Richard Hass, presidente do Conselho de Relações Exteriores dos Estados Unidos:

    “Países como o Brasil terão cada vez mais importância nesse novo mundo [não-polar]. [Os BRIC] não são mais simplesmente potências regionais, mas globais. O Brasil, por exemplo, será central na hora de resolver o problema das mudanças climáticas e na questão do comércio exterior. Será fundamental para promover a ordem na América Latina.” [02]

    Após a quebra da União Soviética no final da década de 1980, o mundo passou por uma transformação na ordem mundial. Isso gerou uma infinidade de debates sobre a estrutura do sistema internacional e como se portariam agora os países, já que a bilateralidade (Estados Unidos X União Soviética) havia cessado. Havia agora a multipolaridade, ou seja, os Estados não mais se viam obrigados a unirem-se a um dos blocos de poder. Com o passar do tempo, alguns países que eram considerados em vias de crescimento, como o Brasil, África do Sul, Índia, etc. foram tomando força e importância continental. O Brasil, que é o foco da discussão, é sem dúvidas um líder continental. O ex-chanceler alemão Helmut Schmidt, em uma declaração à TV alemã ARD, no talk-show de Reinhold Beckmann [03], afirmou que “é uma ilusão bastante ingênua pretender conduzir a economia mundial sem a China, sem a Índia, sem o Oriente Médio, sem a OPEP, sem a Arábia Saudita ou sem o Brasil. Não funcionaria de jeito nenhum.”. Gilberto Calcagnotto (2008) afirma que os países citados previamente são chamados de “middlepowermanship” ou países de poder médio, que consideram primordialmente soluções multilaterais para problemas internacionais, posições de compromisso em disputas internacionais além de possuírem noções como a da “boa cidadania internacional” para orientar sua ação diplomática. O Brasil utiliza-se do soft power, que seria uma influência não-militar, porém um poder de ordem econômica, política, diplomática para resolução de conflitos ao acordos internacionais, tomando para tal a ideia de Joseph Nye [04]. Segundo Luiz Alberto Moniz Bandeira (2003), renomado historiador e analista da diplomacia brasileira, o Brasil vem tentando posto de potência global desde muito antes do golpe militar de 1964. Vejamos:

    “o ideal da efetiva emergência do Brasil à condição de grande potência esteve incrustado na psique da elite brasileira muito tempo antes do golpe de Estado militar perpetrado em 1964 e continua a ser um objetivo perseguido igualmente após a derrocada do regime militar (1964-1985) (…). Esta ambição persiste como a determinante subjacente da política externa brasileira também no século XXI, mesmo que o Brasil sempre tenha evitado apresentar abertamente suas ambições de liderança continental, preferindo identificar-se claramente com as demais nações sul-americanas.” [05]

    O Brasil é a porta de entrada para os blocos econômicos, como a União Europeia, ou Estados soberanos para realização de tratados comerciais com o MERCOSUL. Observamos hodiernamente um declínio do poder norte americano, o que dá espaço para novas potências internacionais cambiarem o status quo. Os Estados Unidos vêm tomando medidas para impedir a proliferação da submissão de Estados soberanos ao Tribunal Penal Internacional. Desta forma, a importância internacional brasileira é de grande interesse deste tribunal. Com a importância política e econômica internacional que o Brasil vem ganhando desde o começo da atual crise, seria prudente o tribunal utilizar para si a influência brasileira em países latino-americanos para respeitar as normas instituídas pelo Estatuto de Roma. O poder de “sedução” da política exterior brasileira, no cenário atual, é de grande importância para a uniformização das normas internacionais, assim como a cooperação internacional.

    4. Competências e Jurisdição do TPI
    A princípio, o TPI terá competência para julgar os crimes de genocídio, de guerra e outros crimes contra a humanidade, além de agressão externa. O TPI deverá processar qualquer pessoa responsável pela prática de crimes fundamentais, independentemente do lugar em que foram cometidos e do cargo ou posição que ele ocupe, seja soldado raso, comandante, ministro da defesa, primeiro-ministro, presidente ou rei. Esse mesmo princípio integrou os documentos constituintes dos Tribunais de Nuremberg e Tóquio. Meio século depois, toda pessoa adulta deve saber que as ordens de um superior não a eximem de responsabilidades em relação a crimes de genocídio, de guerra e de outros crimes contra a humanidade. A jurisdição é complementar e recai sobre indivíduos com relação aos crimes mais graves de transcendência internacional, segundo afirma o art. 1º do Estatuto de Roma.

    Carsten Stahn, Mohamed M. El Zeidy, e Héctor Olasolo (2005), no artigo The International Criminal Court’s ad hoc Jurisdiction Revisited, comentam:

    “O artigo 12 do Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional(TPI), que permite que o Estado que não é signatário do Estatuto para ‘aceitar o exercício da jurisdição pela corte’ por meio de uma declaração direcionada ao Chefe da Secretaria, é uma das provisões mais discretas. Isso atraiu apenas uma breve alerta na literatura geral sobre a jurisdição do TPI, ou no contexto particular do debate sobre a objeções dos Estados Unidos da América sobre a jurisdição de um terceiro Estado.” [06]

    Recentemente, o Tribunal Penal Internacional (TPI) emitiu o mandado de prisão internacional contra o presidente sudanês Omar Hassan al-Bashir. O pedido é a primeira ordem de prisão contra um chefe de Estado em mandato. O presidente do Sudão é acusado de crimes de guerra e crimes contra a humanidade, pela condução de uma campanha de violência no Darfur marcada por assassinatos, torturas, violações de direitos humanos, pilhagens e ataques contra civis. O TPI deixou de fora, pelo menos para já, as acusações de genocídio. O procurador do TPI, Luís Moreno-Ocampo afirmou que se o Governo do Sudão não executar a ordem de captura, o Conselho de Segurança da ONU terá de garantir a conformidade. O Sudão não poderia opor-se ao Conselho de Segurança, nem ao TPI, porém se al-Bashir viajar no espaço aéreo internacional, poderia ser interceptado e detido. O governo sudanês rejeitou de imediato o mandado e disse que o governo não vai entregar al-Bashir. A China (membro permanente do Conselho de Segurança da ONU), a União Africana (UA) e a Liga Árabe (LA) afirmaram que se opõem ao pedido de prisão internacional em países-membros. Eles temem que o mandado desestabilize a região, aprofunde o conflito no Darfur e ameace o já difícil processo de paz entre o norte e o sul do Sudão.

    Desta forma, podemos enxergar que o TPI ainda está em plena construção mundial, ou seja, os debates internacionais sobre a jurisdição e competência da citada corte ainda serão alvos de críticas e aprimoramentos, no tocante a aplicação prática da efetividade e eficiência.

    4.1 Ratificação do Estatuto de Roma

    Em 17/07/1998 cerca de 160 países, 17 organizações intergovernamentais, 14 agências especializadas e fundos das Nações Unidas e 124 organizações não-governamentais reuniram-se na cidade de Roma, capital italiana, com o objetivo de estabelecer as bases para a instituição de um Tribunal Penal Internacional. A lei orgânica do Tribunal, também chamada de Estatuto de Roma, passou a ter vigência em 1º de julho de 2002, após ter alcançado o número mínimo de ratificações necessárias (mínimo de 60 Estados) para sua entrada em vigor, em 11 de abril de 2002. O Estatuto de Roma foi aprovado por meio de uma votação não registrada por 120 (cento e vinte) votos a favor, 7 (sete) contra (Estados Unidos da América, China, Israel, Iraque, Quatár, Iêmen e Líbia) e 21(vinte e uma) abstenções (dentre as quais, Índia, Turquia, Irã, Sudão, Síria e Egito). Até o 1º de junho de 2008, 106 Estados ratificaram o Estatuto de Roma. O Brasil foi o 94º país a assinar o Tratado (no ano de 2000) e sua ratificação se deu em 12 de junho de 2002.

    Elencaremos agora algumas justificativas de certos países que não ratificaram ou não aderiram ao Estatuto de Roma:

    1.Estados Unidos da América à sustentam que o Tribunal Penal Internacional poderia debilitar o Conselho de Segurança da ONU e que ele não deve ter competência sobre cidadãos de países que não tenham ratificado o Estatuto de Roma, ou seja, seria um afronta à soberania nacional. Enxergamos que pode ser uma afronta ao poder mundial yankee, já que manter o “status quo” é primordial aos Estados. Há também o fato de que o Tribunal Penal Internacional aceita pena de prisão perpétua e nunca pena de morte.

    2.China à podemos aduzir o fato da guerra com o Tibet. Assim, a China não teria interesse em fazer guerra e ao mesmo tempo ser favorável à criação de um tribunal que seria contrário aos seus interesses.

    3.Índia à no Estatuto de Roma está presente o “Princípio da Complementaridade”, pelo qual o Tribunal Penal Internacional exerce jurisdição complementar sobre o Estado. Alegou que o citado princípio ofende a soberania nacional.

    4.Israel à foi contra o conceito de crimes de guerra adotado pelo Estatuto de Roma. É fato notório a presente guerra em Israel e as atrocidades que se tornam realidade quase que diariamente. Apoiar um tribunal que poderia ser usado contra o Estado seria contradição.

    5.Sri Lanka à votou contra o Estatuto de Roma em virtude da sua guerra civil, que já dura mais de duas décadas. Segundo os critérios daquele Estado, votar a favor significaria, provavelmente, submeter seus nacionais ao Tribunal Penal Internacional pelos crimes no seu território perpetrados.

    O Tribunal Penal Internacional permanente é uma iniciativa de Estados que reconhecem a gravidade dos crimes de violação aos Direitos Humanos e sua constante ameaça à paz, à segurança e ao bem-estar da humanidade, além de decidirem erradicar a impunidade dos autores desses crimes e a assegurar a defesa e proteção desses direitos nos planos nacional e internacional como forma de garantir que a justiça internacional seja permanentemente respeitada.

    Convém em estabelecer um Tribunal Penal Internacional de caráter permanente, independente e vinculado ao sistema das Nações Unidas, tendo jurisdição sobre os crimes mais graves que preocupam a sociedade internacional em seu conjunto.

    No Brasil, a Emenda Constitucional nº45/2004 adicionou o §4º ao art. 5º da Constituição Federal, onde há expressamente a submissão brasileira ao Tribunal Penal Internacional. Gostaríamos, agora, de entrar nesse mérito.

    Antes de prosseguir, traremos alguns conceitos de soberania. Nos mostra a Convenção Pan-americana de Montevidéo, de 1933, sobre Direitos e Deveres dos Estados, promulgada pelo Brasil pelo Decreto n. 1.570, de 13/04/1937, que o Estado, como pessoa de Direito Internacional deve reunir os requisitos de ter uma população permanente, território determinado, governo e a capacidade de entrar em relação com os demais Estados. Desta forma, podemos considerar soberania, segundo Liziane Paixão (2006) como um “elemento essencial para a existência do Estado e, com base em conceito jurídico tradicional, é o poder exercido por uma entidade estatal que tem como característica a conjugação de autonomia e independência.” [07] Assim, uma nação soberana não depende de nada para poder atuar como ator no cenário internacional. O fato de tal Estado limitar suas obrigações limitará necessariamente seu poder e desta forma põe em risco sua soberania. Vejamos a Carta Magna, no seu art. 1º, I:

    Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

    I – a soberania;

    Pode-se considerar como quebra da soberania nacional quando um cidadão brasileiro que cometeu quaisquer crimes previstos pelo Estatuto de Roma em território nacional ser julgado por este tribunal, que é supranacional? A competência de julgar o cidadão pelos atos por eles cometidos não deveria ser da Justiça nacional?

    Há um movimento nacional que tenta estreitar as relações com o Tribunal Penal Internacional. Segundo o Deputado Federal Dr. Rosinha, do Partido dos Trabalhadores do Paraná, o Brasil está em débito com a sociedade internacional porque até hoje não participa integralmente da jurisdição do TPI. Dr. Rosinha lembra que, apesar da ratificação do Estatuto de Roma, ocorrida em 2002, o governo ainda não adaptou sua legislação interna à jurisdição internacional. “Enquanto isso não acontecer, não há participação efetiva no Tribunal Penal Internacional, o que é um grande retrocesso, uma vez que essa Corte é uma das principais conquistas da humanidade” [08], argumenta.

    Podemos enxergar que o Estado brasileiro, através das PL’s 301/2007 e 4038/2008, mostra-se, ou assim o está tentando, aceitante à submissão ao tribunal em questão. Pode ser que não seja ilegal tal submissão, porém não atacaria as ideias basilares da soberania nacional ou, até mesmo, a autodeterminação dos povos e independência nacional (num sentido amplo), disposto no art. 4º, I e II da Lei Maior?

    Em uma visão ligada à Escola Clássica Francesa sobre a soberania, tendo por base Jean-Jacques Rousseau, vemos que a soberania é una, pois não admite a existência de mais de uma autoridade soberana dentro de um mesmo território, é indivisível, pois o poder soberano pode delegar suas atribuições e dividir competências (como por exemplo no caso dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário), mas não pode ser transferido a terceiros, além de ser imprescritível, ou seja, não é limitada pelo tempo. A divisão da soberania ocorreria quando o Poder Judiciário não pudesse julgar o indivíduo nacional pelos crimes cometidos em sua própria jurisdição.

    Outra problemática é o caso, que acompanha o anterior, de extradição. Vejamos o que nos diz a Carta Magna, no art. 5º, LI

    Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

    LI – nenhum brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado, em caso de crime comum, praticado antes da naturalização, ou de comprovado envolvimento em tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei;

    O Estatuto de Roma é cristalino quanto aos seus arts. 62, 63 e 89. Segundo os dois primeiros, o julgamento será na sede do Tribunal e deverá constar a presença do acusado, além da execução da pena ter o local indicado pelo próprio tribunal, a partir de uma lista de Estados que tenham manifestado interesse em receber o apenado. O art. 89 prevê que o Tribunal Penal Internacional poderá dirigir um pedido de detenção e entrega de uma pessoa, instruído com os documentos comprovativos, a qualquer Estado em cujo território essa pessoa se possa encontrar, e solicitar a cooperação desse Estado na detenção e entrega da pessoa em causa. O Brasil, caso aceite e execute os pedidos de detenção e de entrega, não estaria praticando uma forma de extradição, tão veemente proibida, para brasileiros natos, pela Lei Maior? E se um país entregasse um nacional acusado ao Tribunal Penal Internacional, porém outro país não entregasse o nacional acusado, não poderia gerar um desentendimento na ordem internacional?

    Mais uma problemática é a prisão perpétua, que é vedada pela Constituição Federal no seu art. 5º, XLVII, “b”. E esta previsão pátria sequer pode ser alterada por emenda constitucional, ante a cláusula pétrea inserida no § 4º do artigo 60, IV da Carta Magna, que nos fala que não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir os direitos e garantias individuais. No entanto, pode ser entendido que este conflito é aparente, uma vez que no Brasil há previsão de pena de morte, que é uma punição mais grave que a pena perpétua, presente ao art. 84, XIX. A jurisdição do TPI atua, nos termos do artigo 5º do Tratado de Roma, sobre os crimes de genocídio, contra a humanidade, de guerra e de agressão e a Carta da ONU, ratificada pelo Brasil, já previa que em caso de preservação ou restauração da paz e da segurança internacionais (que podem ser ameaçadas por quaisquer dos crimes de competência do TPI), pode haver, por parte da organização, com apoio necessário dos seus membros, o recurso à força, o que torna a competência do Tribunal Penal Internacional potencialmente exercitável, em qualquer dos âmbitos penais, em caso de guerra. Esta é apenas uma das diversas visões. Ou seja, a Constituição Federal brasileira já prevê pena mais severa que a perpétua para boa parte dos crimes alcançados pelo Tribunal Penal Internacional, ou para todos os crimes alcançados, na medida em que a ONU atue para configurar o estado de guerra em relação aos atos criminosos praticados. Porém essa é uma visão apenas, havendo a possibilidade de outras abordagens sobre o assunto.

    Feitas as anteriores considerações, ainda em construção pelos juristas e estudiosos brasileiros, temos apenas a certeza de que o assunto merece muito mais dedicação, sobre todos os possíveis caminhos a serem trilhados para que possamos ter uma base mais concreta e segura sobre como o Tribunal Penal Internacional pode interferir na ordem jurídica nacional.

    4.2 As Relações Internacionais e as Decisões do TPI

    Durante todo esse estudo, foram colocadas visões, teorias, atualidades, etc. sobre as relações internacionais e de como se comporta o sistema internacional perante a anarquia internacional. Faremos agora uma análise de como um Estado soberano poderia se comportar, à luz da teoria realista, diante de uma decisão da corte.

    Em primeiro lugar, usaremos mais uma vez o mandado de prisão contra o presidente sudanês Omar Hassan al-Bashir. Simplesmente, o governo do Sudão afirmou que não vai entregá-lo à corte. Não seria do interesse desse Estado assim fazê-lo, porém caso al-Bashir perdesse a influência política na sua nação e se fosse interesse estratégico do Estado de entregá-lo, provavelmente o mandado seria cumprido.

    O que queremos demonstrar aqui é que uma decisão do Tribunal Penal Internacional será executada somente se houver interesse do Estado de entregar seu nacional. O TPI não pode exigir a entrega desse, pois não há hierarquia legítima internacional, ou seja, voltamos para a questão da anarquia internacional. Pode-se cumprir também se houver sanções econômicas ao Estado. Podemos exemplificar da seguinte forma: imaginemos que fosse do interesse dos Estados Unidos da América que al-Bashir fosse preso. Mesmo não tendo ratificado o Estatuto de Roma, ele poderia criar barreiras comerciais e econômicas ao Sudão para que o presidente desse país fosse entregue à corte. Desta forma, poderíamos ver a soberania de um Estado ser esmagada por interesses de outro Estado, ou seja, seria um Estado influenciando, mesmo que indiretamente, numa organização internacional, neste caso, o Tribunal Penal Internacional.

    Robert Putnam (1998) [09] lança o modelo dos Jogos de Dois Níveis, inovador por conseguir estabelecer uma relação mais direta entre os fatores domésticos e os internacionais. É um modelo estadocêntrico, apesar de não considerar o Estado como um ente unitário. Evidencia inclusive a heterogeneidade do ambiente interno, dando bastante importância ao papel dos atores influentes durante o processo decisório – partidos políticos, grupos de interesse (econômicos ou não), classes sociais, legislativo e opinião pública. Já Helen Milner (1997) [10] aprimora o modelo de Jogos de Dois Níveis de Putnam e identifica as três variáveis determinantes na forma de cooperação entre os Estados: a distribuição de preferências entre os atores influentes, as instituições e a distribuição de informação. O que queremos mostrar é que a distribuição de preferências entre os Estados vai gerar a possível cooperação. Não é apenas por força das normas internacionais ou tratados internacionais, ratificados ou não pelos Estados, que uma decisão ou promessa acontecerá de fato. Ou seja, sua eficiência dependerá necessariamente do nível de interesse dos Estados envolvidos.

    4.3 Sentenças Proferidas e sua Efetividade

    Debatemos, por todo o estudo realizado, as relações entre Estados soberanos no sistema internacional. Neste momento, iremos nos ater às sentenças estrangeiras proferidas por tribunais internacionais e sua efetividade.

    Antes da Emenda Constitucional nº 45, a homologação de sentenças estrangeiras competia ao Supremo Tribunal Federal, como nos mostra o art.483 do Código de Processo Civil. Existe, então, a necessidade de homologar sentenças estrangeiras pelo STJ, e quanto às sentenças proferidas por tribunais internacionais? O art. 105, “i” nos aduz que a homologação de sentenças estrangeiras e a concessão de exequatur às cartas rogatórias. Segundo Valério de Oliveira Mazzuoli (2004), “(…)as sentenças proferidas por tribunais internacionais dispensam homologação pelo Superior Tribunal de Justiça, assim como dispensavam a homologação pelo Supremo Tribunal Federal antes da reforma de 2004… Sentenças proferidas por ‘tribunais internacionais’ não se enquadram na roupagem de sentenças estrangeiras a que se referem os dispositivos citados. Por sentença estrangeira deve se entender aquela proferida por um tribunal afeto à soberania do determinado Estado, e não a emanada de um tribunal internacional que tem jurisdição sobre os Estado.” [11] Ou seja, em caso de sentença internacional, o Estado deveria executar a decisão do tribunal de acordo com as leis de execução, uma vez que o Superior Tribunal de Justiça não tem a competência legal, muito menos constitucional de homologação.

    Na visão do estudioso citado acima, uma vez que o Estado é signatário de um tratado, deverá submeter-se aos critérios do acordo. Ele exemplifica com uma condenação da Corte Interamericana de Direitos Humanos ao pagamento de indenização pecuniária, onde o Estado brasileiro deve obedecer ao disposto pelo direito interno no tocante à execução da sentença proferida pela citada corte. Fazendo um paralelo com uma decisão do Tribunal Penal Internacional, caso houvesse uma decisão de entrega de um nacional, deveria apenas submeter-se aos trâmites processuais, sem discutir os preceitos constitucionais já citados anteriormente.

    4.4 Decisões do TPI

    Neste ponto, veremos algumas decisões do Tribunal Penal Internacional, adicionando alguns comentários acordando com o que foi levantado durante todo este trabalho.

    Começaremos pela decisão mais nova e muito polêmica, na qual o Tribunal Penal Internacional expediu mandado de prisão contra Omar al-Bahir, acusado de violência no Darfur marcada por assassinatos, torturas, violações de direitos humanos, pilhagens e ataques contra civis. Os comentários a este caso são encontrados nas folhas anteriores.

    Na República Democrática do Congo, o Tribunal Penal Internacional está processando Thomas Lubanga Dyilo por Crimes de Guerra, Germain Katanga e Mathieu Ngudjolo Chui por Crimes de Guerra e Crimes contra a Humanidade e contra Bosco Ntaganda fora expedido um mandado de prisão. As notícias não foram muito comentadas, talvez pela fraca posição de poder da República Democrática do Congo, mas tem uma grande importância por ser o primeiro caso do Tribunal Penal Internacional.

    Na Uganda, a citada corte expediu mandato de prisão contra Joseph Kony, Vincent Otti, Okot Odhiambo e Dominic Ongwen. O Parlamento Europeu emitiu uma resolução em 21 de outubro de 2008 apoiando o TPI e está convencido que, numa perspectiva em longo prazo, o TPI contribuirá para a prevenção de novas atrocidades, salientando ainda que a não detenção de Joseph Kony resultou na continuação de atrocidades e da violação dos direitos humanos.

    O Tribunal Penal Internacional também acusa Jean-Pierre Bemba Gombo, da República Centro-Africana, por três tipos de Crimes Contra a Humanidade (estupro, tortura e assassinato) e cinco tipos de Crimes de Guerra (estupro, tortura, ultrajes à dignidade da pessoa, em particular por meio de tratamentos humilhantes e degradantes, saquear um aglomerado populacional ou um local, mesmo quando tomado de assalto e assassinato. O acusado poderia ter sido preso em Portugal, segundo o Ministro de Negócios Estrangeiros Luiz Amado, se o TPI à época tivesse solicitado.

    5.Conclusão
    Constatou-se que no cenário mundial hodierno, a simples criação de normas internacionais, como o Estatuto de Roma e a institucionalização administrativa do Tribunal Penal Internacional, não dará eficácia às decisões. Existe a necessidade do jogo de poder no âmbito internacional, os interesses dos Estados e como a decisão irá beneficiá-lo ou não. Apenas uma abordagem das normas para a autoexecução das decisões não é suficiente. O sistema internacional anárquico, onde não há hierarquia entre os Estados, não fará com que o Tribunal Penal Internacional torne-se funcional na sua plenitude. Existe a necessidade de cooperação entre os Estados, e principalmente dos mais poderosos, para que isso possa acontecer.

    Os elementos aqui aduzidos teriam uma mais breve explicação da maneira em que, a sociedade é anárquica, segundo a corrente realista de Relações Internacionais, os Estados apenas cooperarão quando for de interesse desses e a influência do poder hegemônico global na efetividade das sentenças internacionais. Desta forma podemos chegar a uma conclusão em que uma sentença do TPI será cumprida apenas se houver interesse das potências globais para que assim seja feito.

    Certamente há a necessidade de diversos outros estudos sobre o Tribunal Penal Internacional, presenteando nossa base de estudos internacional com diversas visões sobre o tema. O Estatuto de Roma não está, de forma alguma, pacificado, porém é de nosso entendimento que a soberania nacional, os direitos e respeito ao brasileiro nato estão em perigo.

    O fato de o Brasil ratificar o Estatuto de Roma torna possível a afronta a soberania nacional no tocante em que o Poder Executivo deverá atender ao pedido do TPI e executá-lo automaticamente, como vimos sobre as sentenças internacionais, sem que ao menos seja cogitado se é de interesse da nação ou não que haja execução do pedido.

    De toda forma, é de nosso entendimento que o TPI não teve sua criação apontada, especificamente, para o Brasil, isso pelo menos na atual conjuntura mundial. O citado tribunal tem sua “mira” apontada para a África e Ásia, que estão, atualmente, no epicentro das crises sociais, podendo gerar a guerra civil e, com isso, maior número de execução dos crimes previstos no Estatuto de Roma.

    REFERÊNCIAS
    BULL, Hedley. 2002. A Sociedade Anárquica. São Paulo : Imprensa Oficial de São Paulo, 2002, pág. 58.

    BRASIL. Constituição Federal, 1988.

    CARR, Edward. Vinte anos de crise: A harmonia de interesses: 1919 – 1939. Brasília, Editora Universidade de Brasília, 2001.

    MAZZUOLI, Valério de Oliveira. Direito Internacional Público. São Paulo. Editora Revista dos Tribunais, 2004, pág. 121-122.

    MILNER, Helen V. Interests, institutions and information, domestic politics and

    international relations. Princeton, N.J: Princeton University Press. 1997.

  2. M. Silva said,

  3. M. Silva said,

    Liberal Democracy vs. Transnational Progressivism: The Future of the Ideological
    Civil War Within the West
    http://www.hudson.org/files/publications/idealogical_war.pdf

    by John Font

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: